Please use this identifier to cite or link to this item: https://bdm.ufpa.br:8443/jspui/handle/prefix/955
Compartilhar:
metadata.dc.type: Trabalho de Conclusão de Curso - Graduação
Title: Intoxicação por metilmercúrio promove resposta à metalotioneína e dano celular em glândulas salivares de ratos
metadata.dc.creator: LIMA, Leidiane Alencar de Oliveira
metadata.dc.contributor.advisor1: LIMA, Rafael Rodrigues
Issue Date: 21-Aug-2018
Citation: LIMA, Leidiane Alencar de Oliveira. Intoxicação por metilmercúrio promove resposta à metalotioneína e dano celular em glândulas salivares de ratos. 2018. 19 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) – Faculdade de Odontologia, Instituto de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Pará, Belém, 2018. Disponível em: <http://bdm.ufpa.br/jspui/handle/prefix/955>. Acesso em:.
metadata.dc.description.resumo: A exposição ambiental ou ocupacional ao mercúrio é considerada um problema de saúde pública devido aos efeitos tóxicos sobre a saúde humana. A exposição ao metilmercúrio afeta uma variedade de funções fisiológicas, mas seus efeitos sobre as glândulas salivares tem sido pouco investigado. Este estudo analisa os efeitos celulares em glândulas salivares parótida, submandibular e sublingual de ratos adultos após exposição crônica, sistêmica e em baixas doses ao metilmercúrio (MeHg). Animais adultos receberam uma dosede 0,04 mg/kg/dia, ao longo de 60 dias. Após a exposição, os animais foram eutanasiados e tiveram suas glândulas coletadas para avaliação dos níveis de mercúrio total presente nesses órgãos. Também verificou-se a expressão tecidual de metalotioneina I/II (MT I/II), actina músculo liso (α-SMA) e Citoqueratina 18 (CK-18) utilizando imunohistoquímica. Nesta investigação, verificaram-se alterações teciduais nas glândulas salivares devido ao aumento dos nívies de mercúrio, com aumento da imunomarcação de MT I/II nas três glândulas, sugerindo um mecanismo responsivo à injúria, mas não suficientemente citoprotetor para evitar dano celular, observado pela diminuição da imunomarcação de CK-18 e α-SMA, sugerindo dano estrutural ao citoesqueleto. Esses dados sugerem que a exposição crônica, sistêmica e em baixas doses ao MeHg é capaz de promover danos celulares a glândulas salivares de ratos.
Abstract: Environmental and occupational mercury exposure is considered a major public health issue. Despite being well known that MeHg exposure causes adverse effects in several physiologic functions, MeHg effects on salivary glands still not completely elucidated. Here, we investigated the cellular MeHg-induced damage in the three major salivary glands (parotid, submandibular, and sublingual) of adult rats after chronic, systemic and low doses of MeHg exposure. Rats were exposed by 0.04 mg/kg/day over 60 days. After that, animals were euthanized and all three glands were collected. We evaluated total Hg accumulation, metallothionein I/II (MT I/II), α-smooth muscle actin (α-SMA), and cytokeratin 18 (CK18) immune expression. Our results have showed that MeHg is able to disrupt gland tissue and to induce a protective mechanism by MT I/II expression. We also showed that cell MT production is not enough to protect gland tissue against cellular structural damage seen by reducing marking of cytoskeletal proteins as CK18 and α-SMA. Our data suggest that chronic MeHg exposure in low-daily doses is able to induce cellular damage in rat salivary glands.
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::ODONTOLOGIA
Keywords: Mercúrio
Metalotioneína
Glândulas salivares
Intoxicação
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
metadata.dc.source: 1 CD-ROM
Appears in Collections:Faculdade de Odontologia - FOUFPA/ICS

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TCC_IntoxicacaoMetilmercurioPromove.pdf2,38 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons