Please use this identifier to cite or link to this item: https://bdm.ufpa.br:8443/jspui/handle/prefix/848
Compartilhar:
metadata.dc.type: Trabalho de Conclusão de Curso - Graduação
Title: Correlações estruturais entre rochas de Cráton São Luís (Mina Aurizona) e Oeste Africano
metadata.dc.creator: RODRIGUES NETO, José Maria dos Santos
metadata.dc.contributor.advisor1: PINHEIRO, Roberto Vizeu Lima
Issue Date: 2018
Citation: RODRIGUES NETO, José Maria dos Santos. Correlações estruturais entre rochas de Cráton São Luís (Mina Aurizona) e Oeste Africano. Orientador: Roberto Vizeu Lima Pinheiro. 2018. 47 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Geologia) - Faculdade de Geologia, Instituto de Geociências, Universidade Federal do Pará, Belém, 2018. Disponível em:http://bdm.ufpa.br/jspui/handle/prefix/848. Acesso em:.
metadata.dc.description.resumo: A correlação entre os crátons São Luís (Brasil) e Oeste Africano (África) tem sido discutida com base em critérios majoritariamente petrológicos, geocronológicos e geoquímicos, indicando a provável relação genética entre as rochas dos dois continentes. A análise estrutural de ambos contextos realizada neste trabalho buscou corroboração desta interpretação sob o aspecto da Geologia Estrutural. As rochas do Cráton São Luís são compostas por rochas metavulcanossedimentares supracrustais do período Rhyaciano (Grupo Aurizona) intrudidas por granitoides (Suíte Intrusiva Tromaí). O cráton é limitado a sul pelo Cinturão Gurupi, interpretado como formado por um sistema de colisão oblíqua com transporte de massa de SW para NE durante o Neoproterozoico. As rochas do Grupo Aurizona apresentam trend regional na direção ENE-WSW, marcado por zonas de cisalhamento dúcteis-rúpteis muitas vezes hospedeiras de depósitos de ouro hidrotermal, a exemplo da Mina de Ouro Aurizona (analisada em detalhe neste trabalho). Também se observa um segundo trend de estruturas oblíquas sinistrais de direção NE-SW, cortando o trend regional principal. Paleogeograficamente, a região do Grupo Aurizona é correlacionada com o Domínio Baoulé-Mossi, no Cráton Oeste Africano. O domínio é composto por greenstone belts rhyacianos com trend regional NE-SW, delimitado por zonas de cisalhamento dúcteis-rúpteis formadas durante a Orogenia Eburneana. Observa-se também um segundo trend de direção N-S, marcado por zonas de cisalhamento posteriores, geralmente com cinemática sinistral. Estas estruturações são o principal controle para colocação de depósitos de ouro hidrotermal na região. Os arranjos estruturais dos dois crátons são compatíveis, à exceção das direções de trend atuais, que diferem em aproximadamente 25°. No entanto, este desvio pode ser explicado pela rotação no sentido horário de ângulo semelhante do continente sul americano após a sua separação do continente africano, na fragmentação do Gondwana. O resultado plausível desta correlação estrutural indica que o Cráton São Luís é de fato um fragmento cratônico do Cráton Oeste Africano, e que ambos possuem uma origem compartilhada de formação durante o período Rhyaciano e deformação durante a Orogenia Eburneana. Além disso, evidencia-se a possível caracterização do Grupo Aurizona como um terreno de greenstone belts.
Abstract: The correlation between the São Luís Craton and the West African Craton has been discussed based mostly om petrological, geochronological and geochemical criteria, which indicate a possible genetic connection between the rocks of the two continents. Structural analysis of both contexts performed in this work sought to corroborate that interpretation under the aspect of Strucutral Geology. The rocks of São Luís Craton are composed by supracrustal metavulcanossdimentary rocks of the Rhyacian period (Aurizona Group) intruded by granitoids (Tromaí Intrusive Suite). The craton is limited to the south by the Gurupi Belt, which is assumed to have been formed through an oblique collision system with mass transport from SW to NE during the Neoproterozoic. The rocks of Aurizona Group display ENE-WSW regional trend, as demonstrated by ductile-brittle shear zones frequently associated to hydrothermal gold deposits, exemplified by Aurizona Gold Mine (analysed in detail on this work). A second NE-SW trend of sinistral structures is exhibited crosscutting the main trend. In paleogeographic terms, Aurizona Group is correlated to Baoulé-Mossi Domain in the West African Craton. The domain is composed by rhyacian greenstone belts with NE-SW regional trend, as exhibited by NE-SW ductile-brittle shear zones formed during the Eburnean Orogeny. A second and later N-S trend is also noted, usually marked by sinistral shear zones. These structures are the main control for hydrothermal gold deposits in the region. The structural arrangement of the two cratons are compatible, except for the current trend which differ in approximately 25º. However, this deviation may be explained through the clockwise rotation of the south american continent of similar angle after its separation from the African Continent in the Gondwana break-up. The correlation’s plausible results indicate that São Luís Craton is actually a cratonic fragment of the West African Craton, and that both share an origin in the Rhyacian period as, well as deformation during the Eburnean Orogeny. Moreover, it is indicated that Aurizona Group may in fact be characterized as a greenstone belt terrain.
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS EXATAS E DA TERRA::GEOCIENCIAS:GEOLOGIA
Keywords: Geologia Estrutural
Cráton Oeste Africano
Cráton São Luís
Mina de Ouro Aurizona
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Appears in Collections:Faculdade de Geologia - FAGEO/IG

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TCC_CorrelacoesEstruturaisEntre.pdf3,13 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.