Please use this identifier to cite or link to this item: https://bdm.ufpa.br:8443/jspui/handle/prefix/4003
Compartilhar:
metadata.dc.type: Trabalho de Conclusão de Curso - Graduação - Artigo
Title: Relação entre estresse oxidativo e nível de atividade física em pacientes com apneia obstrutiva do sono
metadata.dc.creator: CAMPELO, Sinara Mendes
metadata.dc.contributor.advisor1: NEVES, Laura Maria Tomazi
metadata.dc.contributor.advisor1ORCID: https://orcid.org/ 0000-0002-3115-2571
metadata.dc.contributor.advisor-co1: MORAES, William Rafael Almeida
metadata.dc.contributor.advisor-co1ORCID: https://orcid.org/ 0000-0002-3047-4392
Issue Date: 13-Dec-2021
Citation: CAMPELO, Sinara Mendes. Relação entre estresse oxidativo e nível de atividade física em pacientes com apneia obstrutiva do sono. Orientadora: Laura Maria Tomazi Neves. 2021. 29 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Fisioterapia) - Faculdade de Fisioterapia, Instituto de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Pará, Belém, 2021. Disponível em: https://bdm.ufpa.br:8443/jspui/handle/prefix/4003. Acesso em:.
metadata.dc.description.resumo: Introdução: A atividade física (AF) vem sendo adotada como forma de tratamento para a apneia obstrutiva do sono (AOS), uma vez que, ela ativa respostas adaptativas que favorecem a expressão gênica de sistemas de defesa antioxidantes, regulando o estresse oxidativo (EO). Objetivo: Avaliar o nível de atividade física, os níveis de estresse oxidativo, riscos de desenvolver a doença e qualidade de sono de pacientes com apneia obstrutiva do sono e comparar com o grupo controle. Métodos: Estudo transversal, realizado com dois grupos: GAOS (n=12) e GC (n=17). Todos responderam ao Questionário de Berlim (QB), Pittsburgh Sleep Quality Index (PSQI), Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ) e realizada coleta de sangue para determinaçãodas concentrações de Malondialdeído (MDA) e Glutationa (GSH). A análise estatística foi realizada pelo Software 20.0 da SPSS, com significância de 5% (p<0,05). Resultados: O GAOS apresentou maior índice de massa corporal (IMC) (33.20 ± 4.73; GC: 27.99 ± 6.03 kg∕m²), maior circunferência cervical (40.20 ± 3.65; GC: 36.41 ± 4.03 em cm) e abdominal (106.45 ± 11.67; GC: 94.64 ± 12.85 em cm), maiores níveis de MDA (5.62 ± 1.98; GC: 0.94 ± 0.76 nmol∕mL) e 100% de risco para AOS em relação ao GC. Não houve diferença significante entre os grupos nos níveis de GSH (GAOS: 120.99 ± 27.75; GC: 119.44 ± 13.80 em μmol/g Hb), escore do IPAQ (GAOS: 3785.5 ± 3554.5; GC: 2468.6 ± 2245.5 em MET-min∕week) e categorias do PSQI (p = 0.408). Conclusão: Ambos os grupos são fisicamente ativos e com má qualidade do sono. Todavia, apenas o GAOS apresentou maior IMC, maiores medidas de circunferência cervical e abdominal, altos riscos de apresentar a doença pelo QB corroborando com os achados clínicos dos pacientes com AOS, sendo os níveis mais elevados de MDA identificados como um potencial marcador clínico nesta população.
Abstract: Introduction: Physical activity (PA) has been adopted as a form of treatment for obstructive sleep apnea (OSA), since it activates adaptive responses that favor the gene expression of antioxidant defense systems, regulating oxidative stress (EO). Objective:Evaluate the level of physical activity, oxidative stress levels, risks of developing the disease and sleep quality of patients with obstructive sleep apnea and compare with the control group. Methods: Cross-sectional study, carried out with two groups: GAOS (n = 12) and CG (n = 17). All answered the Berlin Questionnaire (BQ), the Pittsburgh Sleep Quality Index (PSQI), the International Physical Activity Questionnaire (IPAQ) and blood was collected to determine the rates of Malondialdehyde (MDA) and Glutathione (GSH). Statistical analysis was performed using SPSS Software 20.0, with significance set at 5% (p < 0.05). Results: The GAOS has a higher body mass index (BMI) (33.20 ± 4.73; CG: 27.99 ± 6.03 kg ∕ m²), greater neck circumference (40.20 ± 3.65; CG : 36.41 ± 4.03 in cm) and abdominal (106.45 ± 11.67; CG: 94.64 ± 12.85 in cm), higher levels of MDA (5.62 ± 1.98; CG: 0.94 ± 0.76 in nmol ∕ mL) and 100% risk for OSA compared to CG. There was no significant difference between groups in GSH levels (GAOS: 120.99 ± 27.75; CG: 119.44 ± 13.80 µmol / g Hb), IPAQ score (GAOS: 3785.5 ± 3554, 5; CG: 2468.6 ± 2245.5 in MET-min ∕ week) and PSQI categories (p = 0.408). Conclusion: Both groups are physically active and have poor sleep quality. However, only GAOS have higher BMI, greater cervical and abdominal circumference measures, high risk of developing a disease due to BQ, corroborating the clinical findings of patients with OSA, with the highest levels of MDA being identified as a potential clinical marker in this population.
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::FISIOTERAPIA
Keywords: Apneia obstrutiva do sono
Estresse oxidativo
Atividade física
Obstructive sleep apnea
Oxidative stress
Physical activity
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Appears in Collections:Faculdade de Fisioterapia e Terapia Ocupacional - FFTO/ICS

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TCC_RelacaoPacientesSono1,13 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons