Please use this identifier to cite or link to this item: https://bdm.ufpa.br:8443/jspui/handle/prefix/2910
Compartilhar:
metadata.dc.type: Trabalho de Conclusão de Curso - Graduação
Title: Análise do acesso e acessibilidade da estrutura das Unidades Básicas de Saúde no Brasil: Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade na Atenção Básica (PMAQ-AB)
metadata.dc.creator: PINHO, Ellen Christiane Corrêa
CUNHA, Thais Amanda Nunes da
metadata.dc.contributor.advisor1: CUNHA, Carlos Leonardo Figueiredo
Issue Date: 4-Dec-2019
Citation: PINHO, Ellen Christiane Corrêa; CUNHA, Thais Amanda Nunes da. Análise do acesso e acessibilidade da estrutura das Unidades Básicas de Saúde no Brasil: Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade na Atenção Básica (PMAQ-AB). Orientador: Carlos Leonardo Figueiredo Cunha. 2019. 59 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Enfermagem) - Faculdade de Enfermagem, Instituto de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Pará, Belém, 2019. Disponível em: https://bdm.ufpa.br:8443/jspui/handle/prefix/2910. Acesso em:.
metadata.dc.description.resumo: A Unidade Básica de Saúde se constitui como a porta de entrada preferencial do SUS, possui um espaço privilegiado de gestão do cuidado das pessoas e cumpre papel estratégico na rede de atenção. Por isso, monitorar e avaliar seu desempenho e suas condições estruturais faz-se fundamental para mensuração de seu alcance e qualidade, de forma a contemplar o acesso e acessibilidade da população que necessita de atendimento diferenciado. Avaliou-se no estudo o acesso e a acessibilidade da estrutura das Unidades Básicas de Saúde por regiões do Brasil, analisando se estão de acordo como o preconizado pela Política Nacional de Atenção Básica. Trata-se de um estudo descritivo e transversal com base nos dados do 3o ciclo do PMAQ-AB. Avaliaram-se ao todo 30.346 Unidades Básicas de Saúde (UBS) do Brasil. No componente Infraestrutura, 21,7% apresentam estrutura de funcionamento padrão divergente ao estabelecido para uma UBS. Das unidades avaliadas, 8% não apresentaram nenhum tipo de sinalização. A região Norte apresentou o pior desempenho para informações disponíveis aos usuários e para os indicadores referentes à acessibilidade, com uma única exceção em piso tátil para acesso as dependências da unidade. Quanto ao componente organizacional, 84,4% possuem horário fixo de funcionamento. Destaca-se que em todas as regiões do Brasil contabilizou-se apenas 450 unidades funcionando aos sábados e 196 aos domingos. Apenas 46,3% das unidades mantêm todas as suas atividades no horário do almoço. Os resultados deste estudo permitiram identificar e analisar os componentes organizacionais e de infraestrutura das unidades básicas de saúde do Brasil. Houve disparidade nos achados encontrados em âmbito nacional, demonstrando as diferenças regionais quanto ao acesso e acessibilidade, o que ressalta a necessidade de avanços. Na avaliação geral, o componente organizacional da estrutura aponta conformidade com o preconizado. Já no componente infraestrutura, a acessibilidade indicou percentuais que demandam avanços, fator que interfere diretamente no acesso do usuário ao serviço público de saúde.
Abstract: The Basic Health Unit is the preferred gateway for SUS, has a privileged space for managing care of people and plays a strategic role in the care network. Therefore, monitoring and evaluating its performance and its structural conditions is essential to measure its reach and quality, in order to contemplate the access and accessibility of the population that needs differentiated care. The study evaluated the access and accessibility of the structure of the Basic Health Units by regions of Brazil, analyzing whether they are in accordance with the recommendations of the National Policy for Primary Care. This is a descriptive and cross-sectional study based on data from the 3rd cycle of PMAQ-AB. A total of 30.346 Basic Health Units (BHU) in Brazil were evaluated. In the Infrastructure component, 21,7% have a standard operating structure that differs from that established for a UBS. Of the units evaluated, 8% did not present any type of signaling. The North region had the worst performance for information available to users and for accessibility indicators, with one exception on tactile floor for accessing unit facilities. Regarding the Organizational component, 84,4% have a fixed opening hours. It is noteworthy that in all regions of Brazil there were only 450 units operating on Saturdays and 196 on Sundays. And only 46,3% of the units maintain all their activities at lunch time. The results of this study allowed us to identify and analyze the organizational and infrastructure components of the basic health units in Brazil. There was a disparity in the findings found nationwide, demonstrating regional differences in access and accessibility, which underscores the need for progress. In the overall assessment, the organizational component of the structure points to compliance with the recommended. In the infrastructure component, accessibility indicated percentages that demand advances, a factor that directly interferes with user access to public health services.
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::ENFERMAGEM::ENFERMAGEM DE SAUDE PUBLICA
Keywords: Acesso aos serviços de saúde
Estruturas de acesso
Acessibilidade arquitetônica
Atenção primária à saúde
Unidade básica de saúde
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Appears in Collections:Faculdade de Enfermagem - FAENF/ICS

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TCC_AnaliseAcessoAcessibilidade.pdf1,08 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons