Please use this identifier to cite or link to this item: https://bdm.ufpa.br:8443/jspui/handle/prefix/2697
Compartilhar:
metadata.dc.type: Trabalho de Conclusão de Curso - Graduação
Title: Dinâmica do sistema fluvial do Tocantins no trecho Marabá - Pedral de São Lourenço, Amazônia Oriental (PA)
metadata.dc.creator: CASTRO, Shirlen Cristina Nascimento de
metadata.dc.contributor.advisor1: EL-ROBRINI, Maamar
Issue Date: 19-Aug-2013
Citation: CASTRO, Shirlen Cristina Nascimento de. Dinâmica do sistema fluvial do Tocantins no trecho Marabá - Pedral de São Lourenço, Amazônia Oriental (PA). Orientador: Maâmar El-Robrini. 2013. 86 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Oceanografia) - Faculdade de Oceanografia, Instituto de Geociências, Universidade Federal do Pará, Belém, 2013. Disponível em: https://bdm.ufpa.br/jspui/handle/prefix/2697. Acesso em:.
metadata.dc.description.resumo: O presente trabalho de conclusão de curso tem como objetivo a análise geomorfológica e multitemporal (1984 e 2009/25 anos) das margens do baixo Tocantins. A bacia do rio Tocantins possui superfície de 379.774 km2, o que representa 39,4 % da região hidrográfica Tocantins-Araguaia, englobando os Estados do Pará (19,4 %), Maranhão (7,6%), Tocantins (46 %), Goiás (26 %) e Distrito Federal (1 %). Grande parte dessa bacia encontra-se na região Centro-Oeste do país, onde está a nascente do rio, dirigindo-se para a região Norte, onde está a sua desembocadura, na Baía de Marajó. O trecho do presente trabalho tem início na cidade de em Marabá ao Pedral de São Lourenço, próximo a Santa Terezinha do Taurí (Itupiranga-Pa), com extensão de 104 km, para fins de estudo optou-se por dividir o rio em três segmentos: Marabá, Itupiranga e Pedral de São Lourenço. A metodologia foi baseada em: (1) Pesquisa bibliográfica; (2) Aquisição de imagens de satélite, da área de estudo; (3) processamento de cenas do satélite Landsat (órbita-ponto: 223-64) do sensor TM (Thematic Mapper); (4) geração de mapas (geomorfológico e geológico) incluindo a analise multitemporal entre os anos de 1984 a 2009 e junho a setembro de 2009. Com isso definiu-se 6 variáveis morfométricas e morfológicas: extensão do canal, índice de sinuosidade, número de barras, área em barras, número de ilhas e área em Ilhas. Fornecendo assim valores distintos em todos os segmentos para cada período histórico. Na análise geomorfológica comparativa dos três segmentos nos anos de 1984 e 2009 em Marabá, não houve mudanças significativas na morfologia do canal. Identificam-se apenas pequenas variações em alguns parâmetros quantitativos das ilhas e barras, o que é natural considerando ser esse um rio que transporta abundante carga de fundo. Considerando os valores médios das cotas do canal para a Estação Itupiranga, o ano de 2009 tem a maior média do período, com 13.188 cm. A menor média registrada refere-se às barras arenosas ao ano de 1984 sendo de 194 cm. Estas tiveram evidente mobilidade entre os anos 1984 e 2009. O segmento Pedral de São Lourenço, é representado por corredeira e afloramentos, há ruptura do leito provocado justamente pela predominância de fundo rochoso, o canal apresenta um padrão de drenagem classificado como retilíneo. Com relação ao comportamento multitemporal do baixo Tocantins nos meses de junho a setembro no ano 2009. Em Marabá o número de ilhas variou de 13 (30/06/2009) para 15 (02/09/2009). Nas épocas de cheia e durante a vazante, muitas vezes, estas ilhas podem migrar e/ou expandir-se. No segmento Itupiranga, no dia 30 de setembro haviam 5 barras esse número elevou-se para 8 (oito) no dia 2 de setembro, totalizando uma área de 13,1 km2. No Pedral de São Lourenço (trecho 03), durante os meses de junho e setembro do ano de 2009, a área do corpo d’água em junho foi de 64,58 Km2 com diminuição para 60,26 km2 em setembro. Os valores de cota no dia 30/06/2009 passaram de 553,5 cm para 254,5 cm em 02/09/2009. Sendo, valores inferiores quando comparados por aqueles registrados no mês de junho.
Abstract: This work completion course aims to geomorphological analysis and multitemporal (1984 and 2009/25 years) from the banks of the lower Tocantins. The Tocantins River basin has surface 379 774 km2, which represents 39.4% of the Tocantins-Araguaia River Basin, encompassing the states of Pará (19.4%), Maranhão (7.6%), Tocantins (46%), Goiás (26%) and Federal District (1%). Much of the basin is in the Midwest region of the country, where the source of the river, heading for the northern region, where its mouth in the Bay of Marajó. The section of this paper begins in the city of Marabá to Gatestone de São Lourenço, near St. Therese of the Tauri (Itupiranga-Pa), with a length of 104 km, for the purposes of the study it was decided to divide the river into three segments: Marabá, Itupiranga and Gatestone of São Lourenço. The methodology was based on: (1) literature search, (2) Acquisition of satellite images of the study area (Marabá, Itupiranga and Gatestone of São Lourenço), (3) processing of Landsat scenes (orbit-point: 223-64) sensor TM (Thematic Mapper), (4) generation of maps (geomorphological, geological, geomorphological change in the years 1984-2009 and multitemporal June-September 2009) using the ArcGIS 9.2. Set up six (6) morphological and morphometric variables, used as a benchmark during the research period. These variables were: length of channel sinuosity index, number of bars, bar area, number of islands and Islands area. Other indicators of change identified by morphometric analysis were measurements obtained sinuosity and channel extension, which provided distinct values in all segments for each historical period. The comparative geomorphological analysis of the three segments in 1984 and 2009 in Marabá, no significant changes in channel morphology. Identify with only minor variations in some quantitative parameters of islands and bars, which is natural considering that this is a river that carries abundant bottom load. Considering the average values of the coordinates of the channel to the station Itupiranga, the year 2009 has the highest average for the period, with 13,188 cm. The lowest average recorded refers to the period between 1984 and 194 cm, the sandy bars, had apparent mobility between 1984 and 2009. The segment Pedral of São Lourenço, is represented by chute and outcrops, there is rupture the bed inflict rightly by the predominance of rocky bottom, the channel presents-if a drainage pattern classified as rectilinear. With regard to multi-temporal behavior of the lower Tocantins in the months from June to September in 2009. In Marabá the number of islands ranged from thirteen (13) in (30/06) to fifteen (15) in (02/09). In times of flood and ebb, many times, these islands can migrate and / or expand. Segment Itupiranga on September 30 had five (5) bars that number increased to eight (8) on the 2nd of September, a total area of 13.1 km2. In Gatestone of São Lourenço (section 03), during the months of June and September of 2009, the area of the water body in June was 64.58 km2 with a decrease to 60.26 in September. Quota values on 30/06 increased from 553.5 to 254.5 in 02/09. Being lower values compared to those recorded in the month of June.
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS EXATAS E DA TERRA::OCEANOGRAFIA::OCEANOGRAFIA GEOLOGICA
Keywords: Geomorfologia
Análise Multitemporal
Rio Tocantins
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Appears in Collections:Faculdade de Oceanografia - FAOC/IG

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TCC_DinamicaSistemaFluvial.pdf5,41 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.