Please use this identifier to cite or link to this item: https://bdm.ufpa.br:8443/jspui/handle/prefix/2435
Compartilhar:
metadata.dc.type: Trabalho de Conclusão de Curso - Especialização
Title: Gestão da recuperação de áreas degradadas em áreas de mineração
metadata.dc.creator: ARAÚJO, Francisco Evaldo da Silva
SANTOS FILHO, Manoel Pereira
metadata.dc.contributor.advisor1: COSTA, Tony Carlos Dias da
Issue Date: 2008
Citation: ARAÚJO, Francisco Evaldo da Silva; SANTOS FILHO, Manoel Pereira. Gestão da recuperação de áreas degradadas em áreas de mineração. Orientador: Tony Carlos Dias da Costa. 2008. 76 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Gestão Hídrica e Ambiental) - Instituto de Geociências, Universidade Federal do Pará, Belém, 2008. Disponível em: https://bdm.ufpa.br/jspui/handle/prefix/2435. Acesso em:.
metadata.dc.description.resumo: O presente trabalho avaliou na Mina de Cobre do Sossego, no município de Canaã dos Carajás-PA, o processo de recuperação de áreas degradadas, usando o plantio tradicional, com mudas (área de 1 ha), e um método alternativo, de disposição de solo superficial (topsoil) em área de 1 ha. Uma análise comparativa dos dois métodos foi realizada avaliando-se custo de recuperação e eficiência dos métodos de recuperação, por meio da avaliação florística e fitossociológica. A avaliação foi feita em cada área dos tratamentos, com amostragem de três parcelas de 10m x 5m em cada unidade avaliada. Como resultado final foi possível concluir que o custo/ha do método alternativo foi de R$ 16.947,00, 2,4 vezes mais barato que o plantio convencional. A avaliação florística e fitossociológica mostrou que os índices de diversidade (H’=–1,61) e densidade (10.800 indivíduos/há) florística também foram superiores na área recuperada com topsoil, enquanto que no setor 1 foram de H’=– 2,80 e 3.400 indivíduos/ha. A área basal na área 2 (topsoil) foi de 0,001723 m2/ha e o volume de 0,007059 m3/ha, enquanto no setor 1 foi de 0,000091 m2/ha e 0,000098 m3/ha respectivamente. O maior índice de Valor de Cobertura para a o setor 1 foi de VC=36,97, do Paricá (Schizolobium amazonicum) e para a área 2 foi de VC=134,84, da Piriquiteira (Trema micrantha). As mudas plantadas no setor 1 tiveram um crescimento lento, chegando a atingir apenas 14,9 cm de CAP, enquanto que nas áreas de topsoil o maior CAP medido foi de 39,9 cm, portanto 2,6 vezes maior. Observou-se que as espécies, Muiracatiara, Freijó-branco, Tatapiririca, Bacaba, Ipê roxo, Farinha seca, Tento Carolina e Abiurana não foram encontradas na amostra do setor 1. É importante que os PRAD’s sejam revisados e esta metodologia venha a fazer parte do seu escopo de trabalho, possibilitando um avanço maior na recuperação de áreas degradadas, melhorando o planejamento da gestão ambiental.
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS EXATAS E DA TERRA::GEOCIENCIAS::GEOLOGIA
Keywords: Mineralogia do solo
Degradação ambiental
Recuperação de terra
Canãa Carajás - PA
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Appears in Collections:Especialização em Gestão Hídrica e Ambiental (GHA) - IG

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TCCE_RecuperacaoAreasDegradadas.pdf1 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons