Please use this identifier to cite or link to this item: https://bdm.ufpa.br:8443/jspui/handle/prefix/2062
Compartilhar:
metadata.dc.type: Trabalho de Conclusão de Curso - Graduação
Title: O empoderamento feminino frente ao processo de parto e nascimento: percepções e vivências maternas e a importância do profissional de saúde
metadata.dc.creator: BRITO, Stelacelly Coelho Toscano de
metadata.dc.contributor.advisor1: SOARES, Patricia Danielle Feitosa Lopes
Issue Date: 2016
Citation: BRITO, Stelacelly Coelho Toscano de. O empoderamento feminino frente ao processo de parto e nascimento: percepções e vivências maternas e a importância do profissional de saúde. Orientadora: Patricia Danielle Feitosa Lopes Soares. 2016. 67 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Enfermagem) - Faculdade de Enfermagem, Instituto de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Pará, Belém, 2016. Disponível em: http://bdm.ufpa.br/jspui/handle/prefix/2062. Acesso em:.
metadata.dc.description.resumo: INTRODUÇÃO: O Ministério da Saúde no intuito de estruturar e reorganizar a atenção materno-infantil propõe uma nova abordagem de assistência com enfoque na mulher e no resgate do processo parturitivo, em contraste ao modelo biomédico que muitas vezes é empregado à sociedade. Assim, resgatar aspectos humanizados e valorizar o posicionamento da mãe, bem como a responsabilidade dos profissionais de aconselhar e instruí-las é fundamental. OBJETIVOS: Conhecer a percepção das mulheres acerca do empoderamento frente ao processo de parto e nascimento. METODOLOGIA: Estudo descritivo, com abordagem qualitativa, realizado no Alojamento Conjunto da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, com 17 mulheres, entre 18 e 35 anos, que vivenciaram parto normal na instituição, por meio de entrevista semiestruturada, no período de junho a julho de 2016. A análise dos dados procedeu-se de acordo com a técnica da análise de conteúdo. O estudo obedeceu às normas estabelecidas para pesquisa com seres humanos (Resolução 466/2012). RESULTADOS E DISCUSSÃO: Emergiram dois núcleos direcionadores, o primeiro relacionado às percepções das mulheres acerca do empoderamento no parto e nascimento, onde evidenciou-se a dor, o despreparo emocional e o medo como entraves para o empoderamento materno. Em contrapartida, as experiências de gestações anteriores e a troca de saberes entre mulheres, contribuíram para o fortalecimento e a autonomia da mulher. O segundo núcleo direcionador abordou a importância do profissional de saúde na assistência obstétrica, mas para isto, se faz necessário que o profissional esteja comprometido em potencializar a capacidade e participação materna. A qualidade da assistência prestada emergiu de forma relevante no estudo, porém no contexto da construção do empoderamento no ambiente hospitalar durante o trabalho de parto e não no decorrer da gestação a partir do pré-natal. CONCLUSÃO: Apesar dos avanços percebidos no modelo assistencial, os profissionais de saúde precisam capacitar as mulheres a desenvolver em si o poder participativo frente ao processo de empoderamento feminino, principalmente durante o prénatal, proporcionando dessa forma compreensão por parte das mulheres acerca de seus direitos e de sua capacidade de empoderar-se.
Abstract: INTRODUCTION: The Ministry of Health in order to structure and reorganize the maternal and child care assistance proposes a new approach focusing on women and the rescue of the birthing process, in contrast to the biomedical model that is often employed to society. Then, it is extremely necessary to rescue humanized aspects and enhance the mother's position, as well as the role of health care professionals to advise and instruct them. AIMS: The goal of this study is to investigate the perception of women about empowerment during labor and birthing process. METHODOLOGY: This is a descriptive study with a qualitative approach, performed in the Rooming-in area at the Sacred House of Mercy Foundation Hospital of Pará (FSCMPA). The subjects of this study were 17 women, between 18 and 35 years old, who experienced vaginal delivery in the institution. It was applied semi-structured interview, from June to July 2016. The data analysis was conducted following the content analysis technique. This study followed the rules established for research with human beings (Resolution 466/2012). RESULTS AND DISCUSSION: Emerged two drivers cores, the first one was related to the perceptions about women's empowerment in labor and birth, which was evident pain, emotional unpreparedness and fear as obstacles to women's empowerment. In contrast, the experiences of previous pregnancies and the exchange of knowledge among women, contributed to strengthen and women's emporwerment. The second driver core addressed the importance of health care professionals in maternity care, however to do this, it is necessary that the professional is committed to enhancing the capacity and maternal participation. The quality of care has emerged in a relevant way in the study, but in the context of the construction of empowerment during labor in the hospital, not during the course of pregnancy in prenatal care. CONCLUSION: Therefore, despite the advances noted in the care model, it is highlighted that health professionals need to empower women in order to help them to develop participatory power in the women's empowerment process, especially during prenatal care. Thereby providing understanding to women about their rights and their ability to empower themselves.
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::ENFERMAGEM::ENFERMAGEM OBSTETRICA
Keywords: PARTO NORMAL
ENFERMAGEM OBSTÉTRICA
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
metadata.dc.source: 1 CD-ROM
Appears in Collections:Faculdade de Enfermagem - FAENF/ICS

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TCC_EmpoderamentoFemininoFrente.pdf1,12 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons