Please use this identifier to cite or link to this item: https://bdm.ufpa.br:8443/jspui/handle/prefix/1903
Compartilhar:
metadata.dc.type: Trabalho de Conclusão de Curso - Graduação
Title: Petrografia e mineralogia de epissienitos potássicos estaníferos e da alteração hidrotermal associada, na Borda Oeste do albita-granito, suíte Madeira, Província Pitinga (AM)
metadata.dc.creator: SOUZA, Sulsiene Machado de
metadata.dc.contributor.advisor1: BORGES, Régis Munhoz Krás
Issue Date: 2012
Citation: SOUZA, Sulsiene Machado de. Petrografia e mineralogia de epissienitos potássicos estaníferos e da alteração hidrotermal associada, na Borda Oeste do albita-granito, suíte Madeira, Província Pitinga (AM). Orientador: Régis Munhoz Krás Borges. 2012. 123 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Geologia) - Faculdade de Geologia, Instituto de Geociências, Universidade Federal do Pará, Belém, 2012. Disponível em: http://bdm.ufpa.br/jspui/handle/prefix/1903. Acesso em:.
metadata.dc.description.resumo: A Província Pitinga, localizada na região nordeste do Estado do Amazonas, é a maior produtora de estanho do Brasil. O estudo petrográfico de amostras do furo de sondagem 250S/1200W, que intercepta uma zona de contato entre as fácies albitagranito de borda (ABGB) e feldspato alcalino-granito hipersolvus porfirítico (FAGHP) na borda oeste do plúton Madeira, permitiu a caracterização de três tipos de rocha: 1) feldspato alcalino-granito hipersolvus porfirítico; 2) albita-granito de borda epissienitizado (AGbEp) e 3) granito epissienitizado híbrido (GEpsH). O FAGHP é composto principalmente por fenocristais de feldspato alcalino pertítico e quartzo, imersos em uma matriz quartzo-feldspática, e proporções acessórias de biotita, zircão, fluorita, hematita, pirita e galena. A rocha ocorre, por vezes, levemente albitizada, greisenizada ou epissienitizada. O AGbEp é composto principalmente de quartzo e feldspato alcalino, além de quantidades subordinadas de cassiterita, zircão, torita, fluorita, sericita e fengita, e ocasionalmente mostra-se enriquecido em sulfetos. O GEpsH tem textura porfirítica e é composto basicamente por feldspato alcalino e quartzo, e quantidades acessórias de zircão, fluorita, hematita, pirita, galena, torita e cassiterita, e encontra-se intensamente hematitizado e silicificado. O principal processo hidrotermal identificado neste estudo é a epissienitização potássica, que modificou significativamente as rochas deste setor. Outros processos também foram caracterizados, como a albitização, greisenização, sulfetação, silicificação e hematitização, cada um deles contribuindo de uma forma específica para a formação das rochas epissienitizadas. O estágio mais precoce da epissienitização foi a desquartzificação das rochas graníticas, responsável pela lixiviação do quartzo e geração de cavidades que, interconectadas, possibilitaram a circulação dos fluidos durante toda a atividade hidrotermal. O metassomatismo potássico causou a dissolução total da albita do ABGB, bem como sua substituição por microclínio hidrotermal. O feldspato alcalino magmático foi parcialmente substituído por filossilicatos, principalmente no estágio de greisenização. De forma mais restrita, o feldspato alcalino pertítico do FAGHP foi parcialmente substituído por albita, principalmente nas bordas dos cristais. O granito epissienitizado híbrido é composto por fases minerais herdadas das duas fácies petrográficas e é o litotipo mais representativo da interação entre os dois líquidos magmáticos na região estudada. Nele, além do microclínio formado em condições subsolvus (ABGN), 7 ocorre uma população de cristais mais finos de microclínio hidrotermal, geralmente ocupando os interstícios entre as fases magmáticas. O minério estanífero associado a estas rochas é representado tanto por cristais de cassiterita provenientes do ABGB, quanto por cristais formados pela atividade hidrotermal, conforme os estudos de caracterização mineralógica e textural realizados por MEV-CL-EDS. Os cristais de cassiterita que preenchem fraturas e/ou cavidades nas rochas epissienitizadas são mais puros e relativamente mais pobres em Nb do que aqueles formados no estágio magmático. Os fluidos envolvidos na epissienitização potássica devem ter sido alcalinos e subsaturados em sílica para ter induzido a desquartzificação, mas com baixo grau de alcalinidade, já que fluidos altamente alcalinos tenderiam a promover metassomatismo sódico, com estabilização da albita. Com base nos dados obtidos neste estudo e no contexto geológico da região, propõem-se duas hipóteses para a origem de um fluido alcalino, oxidado e enriquecido em K: (1) por separação de uma fase fluida a partir do líquido magmático formador do FAGHP e (2) pela ação do mesmo fluido que desencadeou o processo de autometassomatismo do albita-granito de núcleo. Independentemente da origem, este fluido provavelmente teria sido modificado ao longo do resfriamento do sistema, culminando com os processos de sulfetação, hematitização e silicificação, quando ocorre o preenchimento de cavidades e fraturas por sulfetos de Fe, Cu, Pb e Zn, hematita e quartzo, associados a cassiterita em algumas situações. Os cristais de cassiterita formados durante o processo de epissienitização são compostos quase que exclusivamente por SnO2.
Abstract: The Pitinga Province, located in the northeastern region of the Amazonas state, is the largest tin producer in Brazil. The petrographic study in the drill cores from the borehole 250S/1200W, which intercepts the contact zone between border albite-rich granite (ABGB) and porphyritic hypersolvus alkali feldspar granite (FAGHP), in the western part of the Madeira pluton, allowed the characterization of three rock types: 1) porphyritic hypersolvus alkali feldspar granite, 2) episyenitized border albite-rich granite (AGbEp) and 3) hybrid episyenitized granite (GEpsH). The FAGHP is composed mainly by phenocrysts of perthitic alkali feldspar and quartz, embedded in a fine quartz-feldspar matrix, and accessory contents of zircon, fluorite, hematite, pyrite and galena. It locally occurs slightly albitized, greisenized or episyenitized. The AGbEp is composed mainly by quartz and alkali feldspar, and subordinate cassiterite, zircon, thorite, fluorite, sericite and phengite, and in some places shows sulfides enrichment. The GEpsH have porphyritic texture, and consists primarily of alkali feldspar and quartz, and accessory amounts of zircon, fluorite, hematite, pyrite, galena, thorite and cassiterite, and is intensively hematitized and silicificated. The main hydrothermal process identified in this study is the potassic episyenitization, which modified significantly the rocks of the region. Other processes were also characterized, such as albitization, greisenization, sulfidation, silicification and hematitization, and all of these contributed to the formation of the episyenitized rocks. The early alteration stage of potassic episyenitization was the dequartzification of granitic rocks, which induced the quartz leaching and the vugs formation. The intensive fluid circulation during all the hydrothermal activity was triggered by connection of these cavities. The complete dissolution of albite crystals from ABGB, as well as its replacement by hydrothermal microcline, was caused by potassic metassomatism. The magmatic alkali feldspar was partially replaced by phyllosilicates, mainly at greisenization stage. In some places, the perthitic alkali feldspar phenocrysts of the porphyritic hypersolvus alkali feldspar granite are partially replaced by albite at the margins. The hybrid episyenitized granite is composed by mineral phases inherited from both granitic facies (ABGB and FAGHP), and is the more representative rock of the interaction (mingling?) between the two magmatic liquid. Besides the microcline formed in subsolvus conditions, this rock contains a fine population of hydrothermal microcline crystals, which generally filling open 9 spaces among the magmatic minerals. The Sn orebody associated to these rocks is composed by both magmatic cassiterite crystals derived from the ABGB and crystals precipitated from hydrothermal fluids, as demonstrated by mineralogical and textural features obtained by MEV-CL-EDS studies. The cassiterite crystals which filling vugs and/or fractures show almost pure composition and lesser Nb contents than that formed at magmatic stages. The fluids involved in the potassic episyenitization should have been alkaline and subsaturated in silica to have induced the dequartzification, but with low grade of alkalinity, since highly alkaline fluids would tend to promote sodic metasomatism, with stabilization of albite. Based on obtained data and geologic context of the area, two hypotheses has been proposed to the origin of an alkaline, oxidized and K-rich fluid: (1) separation of a fluid phase from the magmatic liquid associated to FAGHP; and (2) the same fluid which caused the autometassomatic alteration of the albite-rich granite core facies. Whichever it may be the origin, this fluid probably would be modified along the system cooling and promoted sulfidation, hematitization and silicification processes, with the filling of vug and cavities by Fe-, Cu-, Pb-, Zn-sulfides, and hematite and quartz, associated to cassiterite in same places. Whereas the main Sn deposit is associated with magmatic evolution of the Madeira pluton, the cassiterite crystals formed during potassic episyenitization are tin-richer.
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS EXATAS E DA TERRA::GEOCIENCIAS::GEOLOGIA
Keywords: Petrologia
Mineralogia
Processos hidrotermais
Epissienitos potássicos
Província Pitinga
Amazonas (AM)
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Appears in Collections:Faculdade de Geologia - FAGEO/IG

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TCC_PetrografiaMineralogiaPessinienitos.pdf14,19 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons