Please use this identifier to cite or link to this item: https://bdm.ufpa.br:8443/jspui/handle/prefix/1599
Compartilhar:
metadata.dc.type: Trabalho de Conclusão de Curso - Graduação
Title: O fitoplâncton como ferramenta ecológica no estuário Guajarino, Belém (PA)
metadata.dc.creator: SOUZA, Elton Carlos Furtado de
metadata.dc.contributor.advisor1: BELÚCIO, Lucinice Ferreira
Issue Date: Aug-2010
Citation: SOUZA, Elton Carlos Furtado de. O fitoplâncton como ferramenta ecológica no estuário Guajarino, Belém (PA). Orientadora: Lucinice Ferreira Belúcio. 2010. 54 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Oceanografia) – Faculdade de Oceanografia, Instituto de Geociências, Universidade Federal do Pará, Belém, 2010. Disponível em: http://bdm.ufpa.br/jspui/handle/prefix/1599. Acesso em:.
metadata.dc.description.resumo: A Baía do Guajará, constituinte do golfão Marajoara, na foz do Rio Amazonas, é formada pela confluência dos rios Pará, Acará e Guamá, sendo um importante ecossistema do litoral paraense, que vem sofrendo lenta ação antrópica através de efluentes domésticos, industriais e agro-industriais. Esse sistema, dominado por mesomarés, é um ambiente dinâmico e peculiar, em virtude do grande volume de água doce aportada pelo rio. As microalgas compreendem organismos aquáticos unicelulares, autotróficos, que ocorrem no plâncton ou aderidos a diversos tipos de substratos, podendo ser indicadores de condições hidrológicas e de possíveis modificações ambientais. Este trabalho apresenta uma caracterização da Baía do Guajará, com base em sua composição fitoplanctônica, correspondente a um ciclo anual de amostragem. Para tal, foram levantadas a composição, distribuição sazonal e espacial, bem como, suas tolerâncias ecológicas à salinidade. Foram realizadas amostragens em seis estações fixas ao longo do estuário, de março a dezembro de 2005 (Projeto “Diagnóstico da qualidade ambiental na Baía do Guajará, Belém-PA /CT-HIDRO/CNPq”). O material biológico coletado com garrafa da van Dorn, fixado em formol e analisado através da técnica de Utermöhl, para composição florística, riqueza e densidade. Também foram analisados parâmetros climatológicos (precipitação pluviométrica) e hidrológicos (turbidez, temperatura, condutividade e pH). Observou-se que a temperatura não se constitui em fator limitante para o fitoplâncton devido à nítida estabilidade térmica regional. A baixa turbidez da água pode ser citada como uma das causas da baixa densidade dos dinoflagelados. O pH mostrou-se ácido a ligeiramente ácido, apresentando valores mais baixos nas estações mais internas e nos meses de maior pluviosidade, assim como a condutividade. Ambos atuaram como condicionantes das espécies fitoplanctônicas. Foram identificados 83 táxons, nas divisões Bacillariophyta, Chlorophyta, Cyanophyta e Dinophyta. Diatomáceas foi o grupo dominante, sendo as espécies Aulacoseira granulata, Rhizosolenia setigera, Achtinoptychus splendens, Coscinodiscus oculus-iridis, Polymyxus coronalis e Triceratium favus as mais abundantes e constantes. Os grupos e as espécies se constituíram em bons indicadores das condições ambientais e das modificações atualmente vigentes no local. Notadamente, destaca-se a ocorrências de clorofíceas junto aos fluxos de água doce; como o furo do Maguari e a associação de cianofíceas com as estações enriquecidas por nutrientes ou matéria orgânica. A densidade foi mais elevada no período de menor precipitação (setembro e junho). O número de espécies variou em função da densidade. As espécies planctônicas apresentaram dominância sutil em relação às bentônicas, que são favorecidas pelos períodos de fluxo turbulento da baía. Houve ausência de um gradiente espacial claro na distribuição das espécies quanto à salinidade. Foram identificadas espécies Oligo-Mesohalóbias; Mesohalóbias; Meso-Euhalóbias e Eurihalinas. Desse modo, do ponto de vista ficológico, este ambiente apresenta características estuarinas, podendo ser classificado como mesohalóbio. O regime de pluviosidade, padrão de circulação e, sobretudo a entrada da maré salina, que provoca alterações nas propriedades físicoquímicas dessas águas e na concentração das partículas em suspensão, confere características peculiares ao sistema. O fitoplâncton da Baía do Guajará comprovadamente funciona como bioindicador da qualidade da água e de seu estado trófico, bem como do sistema estuarino.
Abstract: The Guajará Bay, a component of the Marajó Bay (located at the Amazon River mouth), is an important coastal ecosystem of Pará State (Brazil). It is formed by the confluence of Pará, Guamá and Acará rivers, and has slowly received human domestic, industrial and agro-industry effluents. That system, dominated by mesotides is dynamic and unique, due to the large volume of freshwater brought by the river. Microalgae include aquatic unicellular organisms, autotrophs that occur in the plankton or adhered to various substrates, which may be indicators of hydrological conditions and possible environmental modifications. This paper presents a characterization Guajará Bay, based on phytoplankton composition, corresponding to an annual cycle of sampling. To achieve this, we made a reasearch on composition, seasonal and spatial distribution, as well as their ecological tolerances to salinity. Samplings were taken at six fixed stations along the estuary from March to December 2005 (Project "Diagnosis of environmental quality in Guajará Bay, Belém-PA /CT-HIDRO/CNPq). The biological material collected with van Dorn bottle, was fixed with formaldehyde and analyzed by the Uthermöhl technique to determine floristic composition, richness and density. Climatic parameters (rainfall) and hydrological (turbidity, temperature, conductivity and pH) were also analyzed. It was observed that the temperature does not constitute a limiting factor for phytoplankton due to evident regional thermal stability. The low turbidity of the water may be cited as a reason for the low density of dinoflagellates. The pH proved to be acid to slightly acid, the lower values occurred in the innermost stations and in months of highest rainfall. The conductivity had a similar behavior. Both were determinants of phytoplankton species. 83 taxa were identified under Bacillariophyta, Chlorophyta, Cyanophyta and Dinophyta divisions. Diatoms were the dominant group. Aulacoseira granulata, Rhizosolenia setigera, Achtinoptychus splendens, Coscinodiscus oculus-iridis, Polymyxus coronalis e Triceratium favus were the most abundant and constant species. Both groups and species were good indicators of environmental conditions and changes occurring on the site. The occurrences of algae along the flows of fresh water as Maguari River and the association of cyanobacteria with the seasons enriched by nutrients or organic matter can be highlighted. The density was highest in periods of low rainfall (September to June). The number of species varied with the density. The planktonic species showed subtle dominance in relation to benthic, the last are favored by periods of turbulent flow of the bay. There was no clear spatial gradient in the species distribution in relation to salinity. We identified oligo-mesohalobian; mesohalobian; meso-euhalobians and euryhaline individuals. Thus, from the standpoint of phycology, this environment has estuarine characteristics and can be classified as mesohalobian. The precipitation and circulation patterns, and especially the entrance of the saline tide, which causes changes in physical and chemical properties of these waters and in the concentration of suspended particles, conferring specific characteristics to the system. The phytoplankton of Guajará Bay proved to be a good bioindicator of water quality and its trophic state, and the estuarine system.
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS EXATAS E DA TERRA::OCEANOGRAFIA::OCEANOGRAFIA BIOLOGICA::INTERACAO ENTRE OS ORGANISMOS MARINHOS E OS PARAMETROS AMBIENTAIS
Keywords: Fitoplâncton
Bioindicadores
Baía do Guajará - PA
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Appears in Collections:Faculdade de Oceanografia - FAOC/IG

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TCC_FitoplanctonFerramentaEcologica.pdf1,36 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons