Please use this identifier to cite or link to this item: https://bdm.ufpa.br:8443/jspui/handle/prefix/1225
Compartilhar:
metadata.dc.type: Trabalho de Conclusão de Curso - Graduação
Title: Análise espaço-temporal da cobertura vegetal e uso da terra na reserva extrativista Marinha Caeté-Taperaçu, Bragança/PA
metadata.dc.creator: LEÃO, Sheyla da Silva
metadata.dc.contributor.advisor1: ARAÚJO, Alan Nunes
Issue Date: 10-Jan-2019
Citation: LEÃO, Sheyla da Silva. Análise espaço-temporal da cobertura vegetal e uso da terra na reserva extrativista Marinha Caeté-Taperaçu, Bragança/PA. 2019. Orientador: Alan Nunes Araújo. 61 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Tecnólogo em Geoprocessamento) – Campus Universitário de Ananindeua, Universidade Federal do Pará, Ananindeua, 2019. Disponível em: http://bdm.ufpa.br/jspui/handle/prefix/1225. Acesso em:.
metadata.dc.description.resumo: O manguezal é alvo de uma série de ameaças que resultam na diminuição da oferta de recursos naturais para as comunidades tradicionais e setores que dele sobrevivem. A Costa Amazônica destaca-se como a maior faixa contínua de manguezal do mundo, uma das mais expressivas zonas de produtividade biológica do país. Nela localiza-se a Reserva Extrativista Marinha de Caeté-Taperaçu, Unidade de Conservação Federal situada na planície costeira bragantina, Nordeste do Pará, município de Bragança. Este trabalho se propõe avaliar as alterações espaço-temporais face à criação da Unidade de Conservação mencionada. Para isso, realizou-se a uma análise espaço-temporal afim de identificar, classificar e comparar as classes de uso da terra na área de estudo, considerando imagens LANDSAT 5 e 8 dos anos: 1986, 2005 e 2018, avaliando-se cenários antes, durante e após a sua criação. Foi utilizado o método de Classificação orientada a objeto, determinando-se seis classes de uso, as quais deram origem ao mapeamento temático. Percebe-se que a dinâmica no ambiente de macromarés foi o fator ambiental que influenciou na perda e o ganho em área na maioria das classes de uso da terra identificadas. Foi possível inferir que as práticas extrativistas não têm influenciado de maneira expressiva nos processos ecológicos na área da RESEX.
Abstract: Mangroves are the target of a series of threats that result in a decline in the supply of natural resources to traditional communities and sectors that survive. The Amazon Coast stands out as the largest continuous strip of mangrove in the world, one of the most significant areas of biological productivity in the country. In it is located the Marine Extractive Reserve of Caeté-Taperaçu, Federal Conservation Unit located in the coastal plain of Bragantina, Northeast of Pará, municipality of Bragança. This paper intends to evaluate the spatio-temporal changes in relation to the creation of the Conservation Unit mentioned. For this, a spatial-temporal analysis was carried out in order to identify, classify and compare the land use classes in the study area, considering LANDSAT images 5 and 8 of the years: 1986, 2005 and 2018, evaluating scenarios before, during and after its creation. The object-oriented classification method was used, determining six classes of use, which gave rise to thematic mapping. It is noticed that the dynamics in the environment of macromarés was the environmental factor that influenced the loss and gain in area in most of the land use classes identified. It was possible to infer that the extractive practices have not influenced in an expressive way the ecological processes in the RESEX area.
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::GEOGRAFIA::GEOGRAFIA REGIONAL::ANALISE REGIONAL
Keywords: Geoprocessamento
Sensoriamento remoto
Áreas protegidas
Gestão ambiental
Litoral amazônico
Geoprocessing
Remote sensing
Protected areas
Environmental management
Amazon coast
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
Appears in Collections:Curso de Geoprocessamento - CANAN

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TCC_AnaliseEspacoTemporal.pdf2,63 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons